Terça-feira, 11 de Julho de 2006

Depois da tempestade

040103-2.jpg


Depois das grandes tempestades em nossas vidas,


às vezes, ao invés da bonança esperada,


costumamos fechar a alma para balanço.


E por mais que digamos estar disponíveis ao diálogo,


bem no fundo do nosso coração colocamos uma porta.


E esta porta fica tão trancada,


que se nós mesmos não a abrirmos,


tornar-se-á quase que intransponível.


É como se nossa casa tivesse sido saqueada


e o medo de que fosse arrombada de novo


não nos deixasse viver sossegados.


Visitantes cadastrados até poderiam chegar ao jardim...


mas passar da soleira, quem disse?


E ficamos tantas vezes nos perguntando,


o porque de ninguém se aproximar muito de nós


se pensamos, numa atitude de bloqueio à verdade,


Fingimos não enxergar o letreiro de “passagem proibida”


ou os cadeados enormes que colocamos nos portões


e nos muros que erguemos ao redor de nós,


porque é duro admitir


que temos medo de mais experiências depois que


uma, duas, três ou mil delas não deram certo.


Mas se só as pessoas sensíveis enxergam esse bloqueio


e elas são cada vez em número menor,


as não tão persistentes se afastam,


com medo de que soltemos os cães bravos em cima delas


e as ponhamos para correr!


que estamos dando espaço para que todos nos visitem.


Assim acabamos, por comodismo,


ficando com as pessoas menos perigosas;


com aquelas com quem sabemos


que nunca chegaremos a ter envolvimento maior,


até porque sua percepção não é tão aguçada


para penetrar no nosso interior.


Ficamos com aquelas com quem


temos menos afinidade  e pouco cumplicidade,


principalmente aquela que vem do fundo da alma...


Porque não queremos que ninguém invada


a fortaleza inexpugnável dos nossos segredos,


onde guardamos as mágoas,


os ódios não passados a limpo


e os amores mal sucedidos.


Não queremos saber de quem nos leia pensamentos


e não pretendemos nos prender a nada,


embora digamos sempre o contrário...


Embora saibamos que a falta das amarras num porto


onde poderemos atracar quando estamos à deriva,


pode constituir uma bela teoria de liberdade,


mas não nos gratifica,


pois o ser humano não nasceu para ficar só.


Nós, hoje, bem ou mal,


podemos escolher nossos amores e amigos.


E que possamos escolher os melhores,


e não os mais cômodos.


E que possamos, também, ter alguns inimigos


e, entre os nossos conhecidos,


pessoas incompatíveis conosco,


porque são eles que nos ajudam


a superar os nossos limites


e nos botam para frente,


nem que seja para que lhes mostremos


do que e o quanto somos capazes.


Precisamos ter histórias para contar,


sejam elas com finais tristes ou felizes.


Precisamos passar por experiências


que nem sempre são gratificantes


 pois uma existência passada em brancas nuvens ,


é uma existência sem frutos.


Um dia, talvez, venhamos a entender melhor


os mistérios da vida


e que, para chegarmos a um determinado ponto,


muitas vezes teremos que passar por vários obstáculos.


Talvez entendamos que precisamos nos purificar


sofrendo várias provações até conseguir nossos objetivos


e receber alguma recompensa.


Algumas doutrinas religiosas e filosóficas tentam explicar


porque algumas pessoas sofrem e outras são poupadas


e porque alguns de nós encontram suas metades


e outros passem a vida inteira a procurá-las.


Mas são explicações que talvez nós leigos,


não consigamos facilmente entender.


A única coisa que podemos arriscar,


é que nada acontece por acaso ...


ou será que acontece?


Talvez, quando sofremos,


estejamos passando


por um processo de purificação


que nunca será entendido


ou aceito por nós


enquanto estivermos


vivendo a experiência.


Talvez, quando procuramos alguém ou alguma coisa,


estejamos nos informando;


talvez quando encontramos tanta gente


incompatível conosco é porque, de alguma maneira,


somos ou fomos as pessoas determinadas


a surgir em suas vidas, seja para suportá-la,


ajudá-las ou para que, através delas,


aprendamos alguma lição importante:


da serenidade à perseverança, da paciência à fé.


Mas, por mais que apanhemos,


que nos escondamos


para fugirmos da vida,


de nós mesmos,


dos machucados e rejeições,


tudo passa.


O desespero nunca foi solução para nada


pois, afinal, não há mal que sempre dure


e nem bem que nunca acabe.


A vida sempre seguirá dando voltas.


Tomara que saibamos


aproveitar as ascensões


para levantar


quem estiver próximo de nós


e as quedas


para aprendermos


a ser humildes.


publicado por pura às 01:20
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 10 de Julho de 2006

o qué é a tristeza?

lagrima-bebe.jpg


Tristeza...


O que é tristeza?


No dicionário significa "qualidade ou estado de triste, melancolia"...


Para mim é muito mais que isso...


É um sentimento profundo de lamentações, perdas, saudades, lágrimas...


É um tempo em que nada nos contenta, nada nos chama a atenção, nada nos atrai...


Nem mesmo a própria felicidade...


Tudo nos afecta, tudo nos dói...


É sentir só no meio de uma multidão, é querer fugir e não conseguir, é querer amar e não poder, é querer esquecer e não conseguir...


Porquê me sentir assim quando todos á minha volta me dizem o contrário? Porquê estar triste?


De onde vem esta tristeza?


Ainda não consegui descobrir de onde vem esse sentimento que me afasta de tudo e de todos, que me faz sentir sozinha, mesmo rodeada de amigos que me amam...


Porque não consigo expulsar-te deste peito dorido e cheio de lembranças?


Quem me dera não conhecer a dor da perda, a dor da saudade, a dor da dor...

publicado por pura às 17:16
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 6 de Julho de 2006

Ainda que eu falasse ...

99172.jpg


"Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine.
E ainda que tivesse o Dom de profecia e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.
E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para o sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disto me aproveitaria.
O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso, o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade.
Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. Amor nunca falha, mas havendo profecias serão aniquiladas; havendo línguas cessarão; havendo ciência, desaparecerá.
Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos. Mas, quando vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.
Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.
Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como sou conhecido.
Agora, pois, permaneçam a fé, a esperança e o amor.
Estes três, mas o maior destes é o amor".

publicado por pura às 16:36
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 5 de Julho de 2006

y ahora como te olvido

22598.jpg


otra vez la nostalgia
me tortura en la soledad
esto siempre me pasa
cuando no te puedo amar

cada día que llega
no se como lo pasaré
todavia tus besos queman
sigues en mi piel

empezó como un juego
escondidos de los demás
en tu mundo soy el secreto
que tienes que ocultar

lo que hacemos por vernos
nadie lo puede imaginar
yo quisiera cuando te tengo
podernos escapar

tu amor es mi mal
es mi mayor ansiedad
y cada vez que te marchas
me pregunto una vez más

y ahora como te olvido
no sé vivir conmigo
no amarte es un castigo que me mata
me haces tanta falta
y ahora como te olvido
me siento tan perdido
es que te necesito como el agua
y aunque debo no te puedo ya dejar

publicado por pura às 23:56
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 4 de Julho de 2006

esperanças

desesperada1.jpg


Apesar de todos os obstáculos
que encontro pela minha vida,
apesar dos contratempos que me deparo,
apesar das portas fechadas que vejo,
apesar das dificuldades que enfrento,
ainda assim, tenho a esperança.

A esperança vive em mim
amanhece comigo,
percorre o dia todo
e quando anoitece
ela está ainda mais fortalecida.

Quando meus pensamentos estão confusos
e minhas idéias não são decifráveis, não desisto!
Lembro-me da esperança que me move...



Quando meu caminho está tortuoso,
e minhas chances são diminuídas,
lembro- me da esperança que devo ter sempre...

Esperança,
é a certeza de que algo de bom vai acontecer,
é a confiança que tudo vai dar certo.
Todos devemos ter essa esperança,
para que não nos sintamos caídos,
para que nosso dia seja menos tumultuado,
e para que nosso coração esteja menos pesado.

Desejo a você,
que também tenha sempre a esperança,
que ela permaneça sempre em seus pensamentos.

Desejo que você nunca desista,
porque enquanto houver a esperança,
nenhum sonho está perdido!

publicado por pura às 01:12
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 3 de Julho de 2006

SÓ MAIS UM MINUTO

49071280705031228.jpg


Um homem, no limite de suas forças, atentou contra a própria vida com uma arma de fogo. Ouvindo o tiro, o vizinho entrou naquele apartamento, e ao lado do corpo encontrou uma carta assim escrita:

"Não deu para suportar.
Passei a noite toda como um louco pelas ruas.
Fui a pé...não tinha condições de dirigir.
Perdi meu emprego por injustiça feita contra mim.
Nada mais consegui.

Ontem telefonaram avisando que minha moradia no campo foi incendiada.

Estava ameaçado de perder este apartamento por não ter pago as prestações. Só me restou um carro tão desgastado que nada vale.

Afastei-me de todos os meus amigos com vergonha desta humilhante situação... e agora, chegando aqui, não encontrei ninguém...
fui abandonado e levaram até minhas melhores roupas!

Aquele que me encontrar, faça o que tem que ser feito.
Perdão.

O vizinho dirigiu-se ao telefone para chamar a polícia.
Quando esta chegou viu que havia recado na secretária
eletrônica. Era a voz da mulher do morto:

- Alô ! Sou eu querido! Ligue para a firma! O engano foi reconhecido e você está sendo chamado de volta para a semana que vem! O dono do apartamento disse que tem uma boa proposta para não o perdermos! Estamos na nossa casinha de campo. A história do incêndio era trote! Isso merece uma festa, não merece? Nossos amigos estão vindo para cá. Um beijo! Já coloquei suas melhores roupas no porta malas do seu carro. Vem!

Nunca perca a esperança, por piores que sejam as circunstâncias.

publicado por pura às 01:07
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 2 de Julho de 2006

nunca...

abandonada.jpg

publicado por pura às 01:02
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. UM DEFEITO NA MULHER

. Solidão

. se...

. NAO DEIXE

. No Rancho Fundo - ZEZÉ DI...

. para voce k me veio visit...

. ZEZÉ DI CAMARGO E LUCIANO...

. ZEZE DI CAMARGO E LUCIANO...

. Bruno e Marrone

. Bruno e Marrone - Te amar...

.arquivos

. Outubro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Janeiro 2005

blogs SAPO

.subscrever feeds